Mês: outubro 2016

Resenha – Misery: Louca Obsessão

Confira neste post a resenha do livro de Stephen King “Misery: Louca Obsessão” feita por Davi do blog O outro lado de cada livro.

Sinopse:

Nesta trama nos aprofundamos em uma história que podemos considerar como um terror psicológico. Como esperado, Stephen King nos da os mais ricos detalhes de seus personagens, em uma de suas mais intensas criações.
Paul Sheldon é um promissor escritor no qual desfruta de seu auge, com a série de livros de Misery Chastain uma incrível e destemida protagonista, que prendeu milhares de leitores, pagina após pagina.
Um dia ele sofre um acidente de carro, mas é socorrido, teria ele preferido morrer do que ser ajudado?

Sua fã número um…

Podemos dizer que Annie Wilkes (uma enfermeira já afastada de seu cargo) é uma sociopata homicida que não diferencia o “ajudar” do “torturar”, Paul sofre seus piores pesadelos. Drogado com remédios, acaba por se viciar nos mesmos.
Em um inverno cujo ponto alto é a nevasca, ele se vê cercado, em uma casa distanciada de tudo e de todos após ser “salvo” por Annie depois de seu acidente.
Com suas duas pernas quebradas é torturado física e psicologicamente pela louca enfermeira, o motivo? O final de seu último livro da série de Misery Chastain, do qual nada agradou Annie.
Ameaçado de não ter mais seus remédios de que tanto necessita e ser maltratado fisicamente, é obrigado a escrever outro livro, do qual terá que evocar a ressurreição de Misery, mas há um detalhe: ele só pode fazer isso de uma forma justa, não simplesmente escrever “E Misery Chastain ressuscitou”.

Opinião:

De inicio como em toda história, fiquei sem saber o que se passava, mas ao longo dessa trama, pude ver o que o ser humano é capaz de fazer para obter aquilo que deseja, mesmo sendo algo fútil, que não trará nada de bom num futuro próximo.
Sobre as personagens, como sempre o grande Stephen nunca deixa nada a desejar, uma leitura sempre fluída de forma incrível, desvendando os mais lindos e malditos mistérios da mente humana. Somos jogados em um livro onde nos tornamos espectadores em que podemos vivenciar, como se estivéssemos ali, presenciando cada ato, compartilhando dos sentimentos, das ironias impostas ao longo do livro.
Não digo tudo isso de forma presunçosa, muitos que já leram as obras de King sabem do que digo, é simplesmente incrível, há outros livros de terror de excelentes autores com esplêndidas histórias, contudo nada é comparado com o mestre do terror.

Compartilhe:

Resenha – Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei

Confira neste post a resenha do livro “Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei” feita por Davi do blog O outro lado de cada livro.

Título: Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei
Autor: Paulo Coelho
País: Brasil
Ano: 1993
Editora: Planeta do Brasil
Páginas: 216

Sinopse:

Quem ama, já venceu o mundo, não tem medo da perda. O verdadeiro amor é um ato de entrega total. Este livro trata da importância dessa entrega. Pilar e seu companheiro são personagens fictícios, simbolizando os inúmeros obstáculos que encontramos durante a busca árdua que temos para encontrarmos a Outra metade. Em algum momento devemos vencer nossos medos, pois a trilha para o caminho espiritual é viver experiência do amor diariamente.

Resenha:

Este livro nos proporciona uma enorme reflexão sobre como tratamos os que amamos, como expressamos nossos sentimentos e que sempre devemos guardar nosso passado com cuidado, em um lugar especial do nosso coração, pois mais tarde ele voltará e cobrará nossas recordações (de tristeza, felicidade, raiva,  amor,  ódio.)

Como descrever Pilar? Uma moça jovem, bela, decidida. Mas com tantas dúvidas, recebendo a carta de seu amado, aquele amor de sua adolescência, inesquecível. Sem acreditar, vai ao seu encontro e vê o que se tornou, um Seminarista. Ele à convida para uma breve viagem e juntos desvendam os mistérios que ficaram guardados durante anos em seus corações, desde a primeira conversa até a hora de fazerem amor, a descoberta dos defeitos, da superação, do entendimento maior que todos nós devemos ter e entender que existem várias formas de amar, consequentemente, varias formas de amor.

Um livro em que a religião citada é a católica, mas não sejamos bobos, eu me ponho como exemplo, não gosto de livros que misturem esse assunto, que mexe tanto conosco, um assunto divisor de águas. Mas o autor não tenta  nos  ´´converter’’ para tal religião, isso é apenas um detalhe em que a historia está em volta.

“Na margem do Rio Piedra eu sentei e chorei” é um  livro no qual nos  sentimos verdadeiros poetas, se deliciando com uma leitura leve, delicada,  que mexe com o nosso íntimo. A cada pagina uma nova descoberta, uma nova lição aprendida, um dos livros mais sublimes de Paulo Coelho, daqueles que terminamos de ler  de um dia para o outro e nos arrependemos de tê-lo lido tão rapidamente e assim decidimos ler novamente e nos aproximar mais de nós mesmos.

Compartilhe:

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén